domingo, 16 de fevereiro de 2014

Espectro Político

Apresento abaixo 3 maneiras de representar o Espectro Político.

Considero que os 3 Espectros são imperfeitos, mas servem para ter uma boa noção de onde as correntes ideológicas se situam.





ANARQUISMO
Alguns utópicos comunistas teorizavam que a superação do comunismo seria o fim do Estado com todos vivendo em paz, mas o que se viu na prática foi um forte poder estatal socializando a pobreza. Por essa razão acho mais lógico situar o anarquismo na Extrema-Direita. Os anarquistas de esquerda (anarco-comunistas) defendem o fim do Estado para alcançar a igualdade plena, e os anarquistas de direita (anarco-capitalistas) defendem o fim do Estado para alcançar a liberdade plena.

NACIONALISMO
Muitos cientistas políticos situam o nacionalismo na extrema-direita em vez do anarquismo. Alegam que o Fascismo e o Nazismo (Nacional-Socialismo) seriam extrema-direita. O Nacionalismo defende um Estado forte e é caracterizado como autoritário, anti-democrático e racista. Em boa parte dos casos defende uma economia planificada. Estado Forte e economia planificada são elementos de esquerda. Muitas ditaduras militares tinham essas características e comumente são chamadas de extrema-direita por terem valores conservadores, mas o que muita gente não percebe é que a Velha Esquerda (até anos 50) era fortemente conservadora na esfera moral (*).

O elemento principal do nacionalismo é fortalecer a identidade da nação ou etnia. Sob esse prisma é possível haver nacionalismo de direita e nacionalismo de esquerda. Mas creio que para avaliar os governos nacionalistas não ajuda muito olhar para o discurso conservador (isso havia na velha esquerda também). Creio ser mais importante considerar o aspecto político-econômico, ou seja, as ligações políticas e modelo econômico adotado. Vejamos exemplos:
  • O Nazismo era socialista, estatista e durante um tempo foi parceiro da URSS (Pacto Molotov-Ribbentrop) embora se opusesse ao comunismo. Era um nacionalismo de esquerda: socialista porém anti-comunista. Hitler era moralmente conservador porque naquele tempo isso era comum nos ícones da velha esquerda (*).
  • A ditadura militar ocorrida no Brasil iniciou com o golpe de 64 e visava proteger o país do comunismo. Apesar disso, nossa ditadura foi estatizante em vários períodos, e por isso podemos situá-la na centro-esquerda.
  • Já a ditadura de Pinochet no Chile foi economicamente liberal e moralmente conservadora, e portanto, podemos situá-la na direita.
Por essa razão talvez seja mais coerente deixar o nacionalismo fora do espectro político linear (esquerda-direita):
  • O nacionalismo se aproxima da esquerda ao defender a economia planificada e Estado forte;
  • E atualmente se aproxima da direita quando defende valores conservadores e leis anti-imigratórias (devido ao impacto econômico a direita costuma coibir a imigração).
http://www.causanacional.net/index.php?itemid=126
http://pt.wikipedia.org/wiki/Extrema-direita
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nacionalismo
http://pt.wikipedia.org/wiki/Direita_pol%C3%ADtica

(*) Somente a partir da década de 1960 é que a Nova Esquerda vem abraçar bandeiras como o combate ao racismo, apoio ao gayzismo, feminismo, etc. Observe que Cuba, Coréia do Norte, URSS e a China são fruto da velha esquerda e tinham como norma punir gays com a pena capital. Interessante que essa prática não acontecia em países conservadores do seculo XX. Hoje a Nova Esquerda diz que os conservadores são homofóbicos e não contam que Che Guevara e outros comunistas fuzilaram centenas de gays.

Nenhum comentário:

Postar um comentário